'PREJUÍZOS ENORMES PARA A EDUCAÇÃO E PARA A CIÊNCIA DO PAÍS', DIZ REITOR DA UFRN SOBRE CORTES NO ORÇAMENTO DAS UNIVERSIDADES

Reitoria UFRN Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) — Foto: Cícero Oliveira/UFRN

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) se manifestou publicamente sobre os sobre a redução orçamentária e o bloqueio de verbas que tem assolado algumas instituições federais de ensino do país.

Na UFRN, o orçamento de custeio - que é para a manutenção - é de R$ 115 milhões para 2021. Esse valor é somado a R$ 30 milhões para assistência estudantil. No entanto, o orçamento de capital, que é utilizado para obras e aquisição de equipamentos, bens patrimoniais e material permanente, foi zerado em 2021.

Segundo a instituição, 58% desse orçamento atual permanece sob supervisão e depende ainda de nova aprovação pelo Congresso Federal. Além disso, desses 58% do orçamento que estão sob supervisão, 13,89% foram bloqueados.

Para o reitor da UFRN, José Daniel Diniz Melo, “a situação é muito grave porque as universidades vêm tendo os seus orçamentos reduzidos a cada ano e os prejuízos são enormes para a educação e para a ciência do país”.

(No total de 2021, constam ainda R$ 29.533.150,00 destinados à Assistência Estudantil, R$ 10.516.543,00 ao ensino profissional e tecnológico e R$ 327.160,00 à escola de aplicação do ensino básico. Esses valores, no entanto, não entram nos orçamentos de custeio e capital).

O reitor cita que a UFRN segue em funcionamento e tem contribuído de "maneira decisiva no enfrentamento à pandemia da Covid-19", mas que as dificuldades de liberação orçamentária nos primeiros meses do ano têm dificultado o desenvolvimento de ações essenciais da instituição.

Segundo ele, com essa situação, a instituição tem tido grande esforço para efetuar os pagamentos que foram realizados, com priorização para a assistência estudantil e para os contratos de terceirização.

“Nessa perspectiva, é urgente que ocorra o desbloqueio de 13,89% da verba, a reposição dos valores cortados em relação ao orçamento do ano passado e que se abra uma agenda de recomposição do orçamento das universidades federais”, analisa Daniel Diniz.

 

'Risco de parar': o que dizem reitores e alunos sobre crise nas universidades federais

O reitor cita que, com a sanção da Lei Orçamentária Anual de 2021 (LOA), a rede de instituições federais de ensino superior sofreu novos cortes na verba e que, diante desse cenário, a UFRN vem participando junto com a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) de diálogos com o Ministério da Educação (MEC) e o Congresso Nacional para viabilizar a recuperação do orçamento.

Em nota, a Andifes reforçou que, mesmo com todas as dificuldades, as universidades vêm mantendo um esforço para preservar a qualidade do ensino e apoiar o país no enfrentamento à pandemia da Covid-19. Dessa forma, a entidade alerta sobre as consequências dos cortes para as 69 universidades federais, visto que o Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) enviado pelo Governo Federal ao Congresso Nacional trazia um corte no orçamento discricionário das universidades de 14,96%, equivalente a R$ 824.553.936 em relação aos valores de 2020.

Posteriormente, o Congresso aprovou o orçamento com um novo corte de 176.389.214 (menos 3,76%), totalizando uma redução no orçamento discricionário das instituições de ensino, para 2021, de R$ 1.000.943.150, menos 18,16% em relação a 2020. “O decréscimo atingiu todas as 69 universidades federais, no entanto com graus diferentes e sem critério conhecido”, segundo a nota da Andifes.

Redução de 37% desde 2010

A queda afeta recursos destinados a investimentos e despesas correntes, como pagamento de água, luz, segurança, além de bolsas de estudo e programas de auxílio estudantil. A análise não inclui os recursos para salários e aposentadorias, que são despesas de pagamento obrigatório.

Em nota, o MEC informou que reduziu recursos discricionários da rede federal de ensino superior “de forma linear, na ordem de 16,5%” e que "não tem medido esforços nas tentativas de recomposição e/ou mitigação das reduções orçamentárias" (leia a nota na íntegra ao fim da reportagem).

Em entrevista ao G1, o vice-reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Carlos Rocha, afirmou que "não dá para manter" o funcionamento com o orçamento destinado à instituição. Já o reitor da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Marcus David, afirmou em entrevista em abril que "a ciência e a tecnologia acabaram".

O que diz o MEC

"O Ministério da Educação (MEC) informa que, para encaminhamento da Proposta de Lei Orçamentária Anual referente ao exercício financeiro de 2021, houve situação de redução dos recursos discricionários da pasta para 2021, em relação à LOA 2020, e consequente redução orçamentária dos recursos discricionários da Rede Federal de Ensino Superior, de forma linear, na ordem de 16,5%.

Durante a tramitação da PLOA 2021, em atenção à necessidade de observância ao Teto dos Gastos, houve novo ajuste pelo Congresso Nacional, bem como posteriores vetos nas dotações.

Não obstante a situação colocada, O MEC tem não tem medido esforços nas tentativas de recomposição e/ou mitigação das reduções orçamentárias das IFES.

O Ministério esclarece ainda que, em observância ao Decreto nº 10.686, de 22 de abril de 2021, foram realizados os bloqueios orçamentários, conforme disposto no anexo do referido decreto.

Para as universidades e institutos federais, o bloqueio foi de 13,8% e reflete exatamente o mesmo percentual aplicado sobre o total de despesas discricionárias, sem emendas discricionárias, sancionado e publicado na Lei nº 14.144, de 22 de abril de 2021 – LOA 2021.

Importa lembrar que o bloqueio de dotação orçamentária não se trata de um procedimento novo, tendo sido adotado em anos anteriores, a exemplo de 2019 (Decreto nº 9.741, de 28 de março de 2019, e da Portaria nº 144, de 2 de maio de 2019).

Com relação aos demais bloqueios deste Ministério, foram realizadas análises estimadas das despesas que possuem execução mais significativa apenas no segundo semestre, a fim de reduzir os impactos da execução dos programas no primeiro semestre.

O MEC está promovendo ações junto ao Ministério da Economia para que as dotações sejam desbloqueadas e o orçamento seja disponibilizado em sua totalidade para a pasta.

Ressalte-se que não houve corte no orçamento das unidades por parte do Ministério da Educação. O que ocorreu foi o bloqueio de dotações orçamentárias para atendimento ao Decreto. Na expectativa de uma evolução do cenário fiscal no segundo semestre, essas dotações poderão ser desbloqueadas e executadas".

Publicidade

STF ANULA DECISÃO QUE DETERMINAVA VOLTA DAS AULAS PRESENCIAIS NO RN

Aulas seguem suspensas no RN — Foto: Kléber Teixeira/Inter TV Cabugi

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes anulou na tarde desta quinta-feira (29) a decisão da Justiça do Rio Grande do Norte que determinava o retorno imediato das aulas presenciais no estado.

A decisão em questão era do juiz Artur Cortez Bonifácio, da 2ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Natal, e foi publicada no sábado passado (24), atendendo parcialmente um pedido liminar de urgência feito pelo Ministério Público do Estado. Cumprindo a decisão da Justiça do RN, a governadora Fátima Bezerra (PT) publicou nesta quinta um decreto autorizando as aulas presenciais em todas as escolas das redes pública e privada na educação básica no RN.

O pedido de anulação foi protocolado no STF pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação do RN (Sinte/RN). O sindicato já havia informado à Justiça que os profissionais só retornariam ao trabalho presencial após a vacinação em massa da categoria e ameaçou inclusive entrar em greve.

Após a decisão, os profissionais afirmaram de forma unânime que "não dá para voltar a trabalhar presencialmente neste momento, embora desejem, sobretudo porque o trabalho virtual aumentou em duas ou três vezes a carga horária", afirmou o sindicato.

As aulas presenciais nas escolas públicas do Rio Grande do Norte estão suspensas desde março de 2020 por causa da pandemia.

Em entrevista ao Bom Dia RN na terça-feira (27), o secretário de Educação do RN, Getúlio Marques, afirmou que a decisão da Justiça do RN foi de encontro ao que está sendo feito no estado. Ele disse que o estado tem um acordo firmado para entregar até 12 de maio um plano de retomada para volta às aulas.

"Nosso problema não é a escola, são as condições fora da escola. Vamos defender que a pandemia tem que estar um pouco mais reduzida para que a gente possa fazer esse retorno nas escolas públicas", afirmou.

Publicidade

GOVERNO LIBERA RETORNO ÀS AULAS PRESENCIAIS EM ESCOLAS PÚBLICAS E PRIVADAS NO RN

O Governo do RN autorizou, por meio de um decreto publicado no Diário Oficial do Estado na noite de ontem (28), o retorno das aulas presenciais em todas as instituições de ensino, em qualquer das etapas da educação básica no Rio Grande do Norte, de forma híbrida, gradual e facultativa.

A reabertura e funcionamento das escolas da rede privada fica condicionada ao cumprimento dos protocolos sanitários vigentes, “de modo que as medidas de biossegurança sejam rigorosamente cumpridas”.

No que se refere às escolas das redes públicas municipais, o decreto diz que a reabertura fica submetida aos respectivos Planos de Retomada de Atividades Escolares Presenciais que contemplem os protocolos sanitários e pedagógicos, devidamente elaborados, aprovados e publicados pelos Comitês Setoriais Municipais.

Já abertura e funcionamento das escolas da rede pública estadual fica submetida à elaboração do Plano de Retomada das Atividades Escolares Presenciais com Protocolo Sanitário e Pedagógico, a ser apresentado até o dia 12 de maio de 2021, em consonância com os dados epidemiológicos no Estado do Rio Grande do Norte, nos termos da decisão lavrada em termo de audiência conciliatória nos autos do Processo nº 0800487-05.2021.8.20.5001.

A decisão de liberar as aulas presenciais se deu após Ação Civil Pública pelo Ministério Público do RN, que requereu que o Estado permitisse o retorno das aulas presenciais em todas as instituições de ensino, públicas e privadas, estaduais e municipais, em qualquer das etapas da Educação Básica, de forma híbrida gradual e facultativa.

O pedido do MP foi deferido parcialmente pela 2ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Natal, nos autos da Ação Civil Pública nº 0817547-88.2021.8.20.5001.

 

Publicidade

IELMO MARINHO INICIA ANO LETIVO DE FORMA TOTALMENTE REMOTA E INÉDITA NO RN

Os estudantes da rede municipal de educação de Ielmo Marinho iniciaram o ano letivo de 2021 de uma maneira inédita no Rio Grande do Norte: o ensino está sendo ofertado de forma remota e para todos os níveis escolares, desde os primeiros anos do ensino fundamental 1 até as últimas classes do fundamental 2.

O diferencial desenvolvido pela Prefeitura é a utilização de ferramentas que possibilitam o ensino remoto em sua integridade, como explicou o Secretário de Educação e Cultura, Gustavo Fernandes. “Em 2020, o ensino em Ielmo Marinho foi feito de forma precária, em que os professores foram orientados a simplesmente mandar atividades para os alunos por meio do Whatsapp. Mas, neste ano, a Prefeitura conseguiu reorganizar toda a educação e oferecer um ensino verdadeiramente remoto, priorizando o que eu chamo de presencialidade virtualizada”, disse ele.

Desde 5 de abril, quando o ano letivo de 2021 foi iniciado, os alunos estão tendo aulas de forma síncrona pelo Google Meet. Para os estudantes que não têm acesso à internet – que a Prefeitura identifica como “alunos sem tela” – o conteúdo é oferecido de forma assíncrona, e os professores têm uma carga horária sem tela dedicada à preparação desse material didático. “Fizemos um levantamento para identificar os alunos com e sem tela em cada escola e, a partir daí, os gestores estão desenvolvendo estratégias para atender os estudantes nas suas especificidades. Algumas escolas estão priorizando as atividades impressas, outras estão estudando a possibilidade da criação de uma sala virtual com computadores”, disse o Secretário Gustavo Fernandes. “A orientação geral da secretaria é a realização de planejamentos quinzenais, produção de vídeos curtos, encontros de professores, reuniões agendadas com pais e alunos, diagnóstico do estudante e entrevista com a família, realização de atividades impressas, criação de bloquinhos de atividades, plantão de dúvidas nas escolas, orientação sobre organização do local de estudo etc”, completou.

A prefeita Rossane Patriota ressaltou a importância do ensino remoto adotado no município. “Vivemos um período desafiador no mundo todo e as escolas foram muito afetadas. Mas estamos trabalhando diariamente para que os prejuízos sejam amenizados e a população possa voltar a viver com qualidade e segurança, especialmente as crianças, cuja formação escolar foi diretamente prejudicada”.

Rossane Patriota também elogiou a equipe de professores e gestores que adotaram as inovações propostas pela nova gestão municipal. “Os servidores estão de parabéns. Eles abraçaram nossas ideias e estão num esforço coletivo para fazer tudo dar certo. Juntos, com muita dedicação e carinho, estamos realizando um feito inédito no Estado, e isso é resultado da parceria da nossa gestão com os servidores”, disse ela.

Formação

Visando preparar a todos para o ensino remoto, a Prefeitura realizou uma Jornada Pedagógica de duas semanas no começo do ano, levando palestras e cursos de formação para os professores, gestores e coordenadores pedagógicos e, pela primeira vez na história de Ielmo Marinho, também para pais e alunos. Todos receberam capacitação para utilizar o Google Meet, os formulários do Google, por onde serão feitas as avaliações onlines, e as demais ferramentas necessárias para o ensino remoto, inclusive com a participação de profissionais do Núcleo de Ensino Infantil – NEI/UFRN, uma escola modelo no RN em educação de crianças.

“Percebemos que não bastava ensinar os professores a usar os aplicativos, era preciso capacitar os pais e responsáveis, pois são eles que vão acompanhar os filhos. E também os alunos, visto que muitos não sabiam fazer um uso dessas ferramentas”, explicou Gustavo Fernandes.

Na Jornada, também foi feita uma palestra com uma psicóloga para os docentes, que sinalizavam medo e apreensão por falta de familiaridade com o uso da internet na educação formal e com a forma precária que o ensino estava sendo feito pelo Whatsapp. Atualmente, o aplicativo de mensagens está sendo usado apenas de forma complementar, para envio pontual de atividades e conteúdo educativo.

Resultados

O resultado de toda essa preparação e planejamento é positivo. Os professores demonstram felicidade e empolgação com o método adotado pela Prefeitura de Ielmo Marinho. “Estou amando as aulas no Google Meet, meus alunos estão se saindo super bem, super disciplinados. Sou grata às dicas do curso de formação”, comemorou a professora dos Anos Iniciais, Alvaci Maria Souto.

Já os alunos têm comparecido bem às aulas. Levantamentos iniciais apontam que pelo menos 50% dos estudantes matriculados estão comparecendo às aulas remotas, algumas turmas com 100% de presença, segundo informações da Secretaria de Educação e Cultura. Os dados completos serão contabilizados em breve.

Para promover a formação continuada dos professores, estudantes e familiares no ensino pela internet, a prefeitura criou o Projeto Rodas de Mestres, que ficará ativo durante todo o período letivo remoto.

Como este ano letivo foi iniciado apenas em abril - em função da finalização do ano letivo 2020 no começo de 2021 - os dias perdidos dos meses de fevereiro e março serão compensados em aulas aos sábados. Tal medida é necessária para o município conseguir cumprir as determinações do Ministério da Educação – MEC.

Mais informações:

Jeanny Damas (84) 99451-4577

Eryka Marillya (84) 99640-9373

Publicidade

PREFEITURA DE PARNAMIRIM INICIA ANO LETIVO DE 2021 DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO E ABRE MATRÍCULAS PARA NOVOS ESTUDANTES

Prefeitura de Parnamirim inicia ano letivo de 2021 da rede municipal de  ensino e abre matrículas para novos estudantes

A Prefeitura de Parnamirim, por meio da Secretaria Municipal de Educação e Cultura (Semec), iniciou na última segunda-feira (5), o ano letivo de 2021 da rede municipal para os alunos já matriculados nas modalidades do ensino fundamental (anos iniciais e finais) e Educação de Jovens e Adultos (EJA). A partir do mesmo dia também estão abertas as matrículas para os novos estudantes.

Em razão da pandemia da Covid-19, as aulas seguem acontecendo em formato remoto, com atividades impressas, as quais são entregues nas escolas e também enviadas através do whatsapp para os que possuem acesso.

As matrículas dos novos alunos estão acontecendo de segunda a sexta-feira, das 8h às 14h, nas Unidades de Ensino. Para realizar matrícula, os pais ou responsáveis devem levar os seguintes documentos: xerox da certidão de nascimento, 3 fotos 3/4, xerox do comprovante de residência e declaração do histórico da escola de origem.

Publicidade

PREFEITURA DE NATAL DESCARTA FECHAR ESCOLAS E VAI AUMENTAR FISCALIZAÇÃO

O prefeito Álvaro Dias se reuniu na noite desta quinta-feira (18) com o Comitê Científico de Enfrentamento à Covid-19 do Município para discutir a adoção de medidas relacionadas à doença, após o aumento dos casos constatados nos últimos dias na capital potiguar. Dentre as ações estabelecidas, estão a instalação de 10 novos leitos de UTI no Hospital de Campanha e a ampliação dos atendimentos à população na rede básica de Saúde.

O prefeito também determinou a abertura dos Centros de Atendimento contra a Covid-19 nos finais de semana, além da retomada do horário estendido de funcionamento em mais cinco Unidades Básicas de Saúde, do reforço na quimioprofilaxia com atualização dos protocolos médicos. Com os 10 novos leitos que entrarão em operação nesta sexta-feira, o Hospital de Campanha vai passar a dispor de 30 vagas de alta complexidade para atender aos pacientes mais graves.

Ainda na reunião do Comitê Científico do Município, ficou definido que haverá mais rigor nas fiscalizações em bares, restaurantes e estabelecimentos do gênero. No momento, a Prefeitura não cogita adotar outras medidas restritivas, como fechamento de escolas e instituições de ensino ou de unidades comerciais.

"Vamos ser intransigentes contra quem não estiver cumprindo os protocolos exigidos e estabelecidos pelos decretos municipais. A população precisa entender o momento e respeitar as normas sanitárias", destacou o prefeito de Natal, Álvaro Dias.

A Prefeitura vai executar ainda uma campanha educativa nos meios de comunicação e mídias sociais para alertar sobre a necessidade da população contribuir com os protocolos sanitários existentes, seguir fazendo o uso de máscara e álcool, bem como evitar aglomerações e só sair de casa em caso de extrema necessidade ou para compromissos essenciais.

Outro ponto fundamental destacado pelos membros do comitê está relacionado à reabertura de leitos de UTI por parte do Governo do Estado. Após a primeira onda da doença, o Poder Executivo Estadual fechou 80 leitos de alta complexidade e está demorando para reativá-los, sobretudo os que existiam na região metropolitana. 

Essa desarticulação da estrutura nos outros municípios está causando uma sobrecarga na rede pública de saúde da capital potiguar. De acordo com informações da Secretaria Municipal de Saúde, mais de 4.000 pacientes que não são de Natal foram atendidos nas unidades da Prefeitura.

 

 

 

 

 

Publicidade

SERVIDORES MUNICIPAIS DA EDUCAÇÃO PROTESTAM CONTRA DEMISSÃO DE TERCEIRIZADOS NAS ESCOLAS DE NATAL

Funcionários da rede municipal de ensino de Natal protestaram contra a demissão de terceirizados — Foto: Ayrton Freire / Intertv Cabugi

Diretores e funcionários de escolas municipais de Natal, protestaram na manhã desta quinta-feira (18), em frente a Secretaria Municipal de Educação contra a demissão de funcionários terceirizados. Cerca de 400 trabalhadores que prestavam serviço às escolas foram desligados e não houve novas contratações.

Nesta quinta, teve reinício às aulas remotas da rede municipal de ensino no formato remoto, como havia sido anunciado pela prefeitura no fim de janeiro.

Mas os servidores efetivos afirmam que as unidades não possuem condições para retomada, sem a presença dos terceirizados. Os trabalhadores desligados desempenhavam funções porteiro, merendeira, auxiliar de cozinha e de secretaria, entre outras. Durante o protesto, os servidores exibiram cartazes com os nomes dos colegas demitidos.

Os trabalhadores terceirizados contam que foram pegos de surpresa com a notícia da demissão. Francisca da Paz, de 52 anos, foi uma das demitidas, ela trabalhava há 7 anos no CMEI Lourdes Godeiro como auxiliar de cozinha.

“Eu dava a vida por aquele trabalho. A gente era pra tudo, o que precisasse lá eu estava disponível. Fui pega de surpresa. Mandaram assinar um papel, eles chamaram na firma, e eles disseram que era da secretaria e que não podiam fazer nada pela gente”, contou Francisca.

Rossana Séphora, é diretora administrativa do CMEI Maria Eulália, no bairro do Alecrim e contou que na unidade 4 funcionários terceirizados foram desligados: 1 da limpeza, 2 porteiros e o único funcionário da secretaria. “Então nós não temos condições de voltar, porque, fizemos todos os protocolos de volta e eles estavam envolvidos nesses protocolos. E agora a gente vai ficar sem esses funcionários. A gente não vai voltar”, explica a servidora.

A secretária de educação de Natal, Cristina Diniz, informou a demissão de cerca de 400 servidores não foi motivada pela secretaria. Segundo ela, as empresas terceirizadas, contratadas através de licitação tem autonomia para contratar e demitir os colaboradores.

“Nós lamentamos a saída de funcionários que já estão há algum tempo nas escolas e CMEIS, que fazem vínculos com as crianças, com os gestores, professores, mas nós não podemos obrigar as firmas a contratar todos os mesmos funcionários sempre”, disse a secretária.

Cristina não informou quando serão encaminhados novos servidores terceirizados para as escolas, mas disse que isso já está acontecendo em algumas unidades.

Publicidade

ESCOLAS MUNICIPAIS DE NATAL RETOMAM AULAS EM FORMATO REMOTO

Escola municipal em Natal — Foto: Anna Alyne Cunha/Inter TV Cabugi

As escolas públicas municipais de Natal retomam as aulas em formato remoto a partir desta quinta-feira (18), segundo a Secretaria Municipal de Educação. As atividades ainda são relativas ao ano letivo de 2020. O retorno das aulas em formato híbrido, com parte dos alunos na escola, era previsto para o início deste ano, mas foi adiado.

O município conta com 72 escolas de ensino fundamental e 74 centros de educação infantil. São mais de 58,3 mil alunos matriculados, incluindo os da Educação de Jovens e Adultos. Mas no retorno desta quinta-feira (18) ficam de fora as crianças da etapa de creche.

Segundo a secretária Cristina Diniz, o município reconhece que muitos alunos não têm acesso à internet e, por isso, outros formatos também são desenvolvidos para atender todos os públicos.

"Nós ouvimos a população. Ano passado tivemos medo de realizar aulas online diante dessa dificuldade, mas diante da necessidade, também vamos trabalhar em outros formatos que não sejam pela internet. O aluno poderá ir à escola, receber um material e ter orientação do professor e depois voltar para casa", afirmou.

De acordo com ela, os professores poderão entregar livros, atividades e passar pesquisas a serem realizadas, entre outras atividades.

Ainda de acordo com a secretária, pelo calendário aprovado pelo Conselho Municipal de Educação, o ano letivo de 2020 será concluído em junho. A exceção é para os alunos do 9º ano, que tiveram aulas pela TV e outros formatos, no ano passado. "Eles vão concluir no final do mês de março, para poder fazer a matrícula e acompanhar o Ensino Médio na rede estadual, que começa nesse período", disse.

Aulas presenciais sem previsão

A rede municipal ainda não tem prazo para a retomada das aulas em formato presencial. O protocolo estabelecido pelo município previa o retorno a aulas em formato híbrido - com parte dos alunos em casa e outros na escola - se houvesse ocupação máxima de 80% dos leitos e taxa de retransmissão da doença de até 1. Isso apenas para os alunos dos anos finais do ensino fundamental.

Porém, o município não tem nova data para retorno e aguarda orientação do comitê científico de Natal.

Por outro lado, a secretária afirmou que o município começou a distribuição de materiais que serão usados nas escolas, como totens para higienização de mãos, sabonete líquido , álcool em gel, material de limpeza, pias, entre outros.

"Nesse momento, nós focamos na estrutura necessária para sanitização. Existem alguns gestores com o desejo legítimo de que sejam feitas outras obras nas escolas, mas nosso foco agora é nos equipamentos relacionados à sanitização e prevenção à Covid-19", disse.

Publicidade

PROJETO IDEALIZADO POR PROFESSORA ARRECADA MATERIAL ESCOLAR E AJUDA MAIS DE MIL CRIANÇAS NO INTERIOR DO RN

Projeto "Dona Coruja", idealizado pela professora Eugênia Kelly, já beneficiou mais de 1.000 estudantes em Caicó. (Arquivo) — Foto: cedida

Um projeto que surgiu da necessidade vista entre os estudantes da rede municipal, que muitas vezes deixavam de ir à escola porque não tinham material, já ajudou mais de mil crianças em Caicó, na região Seridó potiguar.

Idealizadora do projeto "Dona Coruja", a professora Eugênia Kelly atua há 14 na Escola Municipal Severina Ernestina Abigail, no bairro Itans e conta que a ação começou 8 anos atrás, após ela perceber anualmente as necessidades dos seus alunos.

Mesmo com a pandemia, a campanha continuou em 2021, mas precisou se adaptar.

“Nós estamos recebendo apenas doação em dinheiro. Nos outros anos a gente recebia também doação de material escolar, contávamos com algumas casas comerciais com parceria. Este ano ficou um pouco mais difícil, por isso estamos recebendo apenas doações nas contas bancárias”, disse.

O projeto tem uma página nas redes sociais que mostra as doações que já foram entregues.

A filha de Vaneide Araújo foi uma das beneficiadas pelo projeto no ano passado. Vaneide é estudante de pedagogia e trabalhava como estagiária numa escola pública em Caicó. Devido à pandemia, as aulas presenciais foram suspensas e ela acabou perdendo a única fonte de renda que tinha. Sem ter como comprar o material escolar da filha Lara, o projeto Dona Coruja chegou na hora certa.

“Mesmo recebendo a pensão da minha filha, é muito pouco, são só R$150,00. Como a gente sabe, material escolar é muito caro, então veio na hora certa. Este ano eu já recebi a informação de que Lara será novamente beneficiada pelo projeto e a gente está muito feliz”, disse.

Em 2020, cerca de 350 kits escolares com pasta, caderno, lápis de cor, tesoura e vários outros materiais escolares, foram doados para alunos do 1º ao 5º ano do ensino fundamental. Nas 8 edições do projeto, mais de mil alunos já foram beneficiados. Para professora Eugênia, o sentimento é de gratidão.

“Nós nos sentimos muito felizes, a gente vê refletido no olhinho da criança a alegria, a gratidão. É uma doação simples, é uma pastinha com material escolar, mas que pra ela representa muita coisa, a gente consegue ver isso refletido no olhar”.

Neste ano, alunos de 15 instituições devem ser beneficiados. As aulas na rede municipal de ensino de Caicó estão previstas para começar no dia 5 de abril e devem seguir o modelo híbrido, aquele feito uma parte de forma remota e outra em sala de aula.

Publicidade

SINTE-RN ENTRA NA JUSTIÇA PARA IMPEDIR RETORNO PRESENCIAL DE PROFESSORES NAS ESCOLAS DE NATAL

A assessoria jurídica do SINTE/RN ajuizou uma ação civil pública na tentativa de impedir que os/as professores/as e educadores/as infantis da Rede Municipal de Ensino sejam obrigados a retornar de forma presencial às suas atividades, conforme decreto da Prefeitura. A expectativa do Sindicato é que posteriormente aconteça uma reunião entre as partes envolvidas na ação e que se chegue a um acordo.

A ação tramita na 2ª Vara da Fazenda Pública, que já intimou o Município do Natal para, no prazo de 72 (setenta e duas) horas contadas a partir desta sexta-feira (12/02), se pronunciar sobre o pedido urgente de suspensão da aplicação do Decreto nº 12.164/2021 para os servidores públicos do magistério municipal. Também foi chamado o Ministério Público para se pronunciar no mesmo prazo de 72 horas.

Publicidade