HOSPITAL WALFREDO GURGEL EMITE NOTA INFORMANDO A SUSPENSÃO DE REFEIÇÕES PARA SERVIDORES


O Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel (HMWG) emitiu um comunicado informando que, a partir da terça -feira (17), não será possível fornecer refeições para os servidores e acompanhantes que frequentam suas instalações. Essa medida foi tomada devido ao desabastecimento de alguns gêneros alimentícios essenciais, com o estoque disponível sendo direcionado prioritariamente para os pacientes internados.

Segundo o comunicado divulgado pela Diretoria do HMWG, a possibilidade de oferecer desjejum e ceia simplificada para os servidores e acompanhantes será avaliada ao longo do dia.

A administração do HMWG informou que espera que a situação de desabastecimento de gêneros alimentícios seja resolvida o mais breve possível, permitindo assim a retomada do fornecimento regular de refeições.

Publicidade

[VÍDEO] ÔNIBUS COM DESTINO A CAICÓ PEGA FOGO APÓS PANE ELÉTRICA NO INTERIOR DO RN


Um ônibus da empresa Jardinense pegou fogo no fim da manhã desta terça-feira (16) após sofrer uma pane elétrica.

De acordo com a empresa, o ônibus fazia a linha Natal/Caicó e tinha saído da capital potiguar às 9h. A pane elétrica ocorreu na BR-226, na entrada para a cidade de Japi, no Agreste Potiguar.

No momento do incidente, havia 12 passageiros dentro do veículo. Ninguém ficou ferido e nenhuma bagagem foi perdida. Todos os ocupantes continuaram viagem em outro veículo.

O motorista do veículo e outras pessoas que trafegavam pela via tentaram apagar as chamas, mas o incêndio não foi controlado.

Publicidade

IDIARN ANTECIPA A ÚLTIMA CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA FEBRE AFTOSA DO RN PARA ABRIL


O Instituto de Defesa e Inspeção Agropecuária do Rio Grande do Norte anunciou a antecipação da vacinação contra a Febre Aftosa para todos os bovinos e bubalinos do estado, começando hoje (16). Essa será a última campanha antes da liberação do Ministério de Agricultura e Pecuária, para que o RN seja considerado livre da Febre Aftosa sem vacinação. A meta é imunizar mais de 90% do rebanho até o dia 30 de abril.

A Febre Aftosa é uma doença animal altamente contagiosa, causada por um vírus, que pode acometer criações inteiras e até seres humanos. O Rio Grande do Norte não registra casos da infecção há mais de 20 anos, sendo considerado um estado “livre da Febre Aftosa com vacinação”. Em reunião recente com o Ministério de Agricultura e Pecuária, ficou definido que a partir de 2025, a vacinação não será mais necessária no estado, desde que a campanha de 2024 cumpra a meta estabelecida de vacinar acima de 90% dos animais.

Esse é um momento de extrema importância para todos nós. Sonhamos com a liberação da vacinação da Aftosa há anos, e agora ela está mais perto do que nunca. Nossos esforços estão voltados para uma grande força-tarefa junto aos produtores, revendas e profissionais da agropecuária em todo o estado para iniciar a imunização dos rebanhos ainda esta semana, e bater a nossa meta até o final do mês”, conta o Diretor de Defesa e Inspeção Sanitária Animal do IDIARN, Renato Dias.

O status de “Livre da Febre Aftosa sem Vacinação” eleva o Rio Grande do Norte a um lugar de valorização da produção de bovinos e bubalinos, abrindo caminhos para a exportação e crescimento econômico do estado, gerando mais emprego e renda para todos.

Publicidade

IMAGEM DE COMPROMISSO FISCAL DO GOVERNO SAI ARRANHADA E DÉFICIT ZERO PODE VIR APENAS EM 2032, DIZEM ECONOMISTAS


O Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) de 2025 apresentado pelo governo federal, nesta segunda-feira (15), gerou ceticismo entre analistas e incertezas com relação à possibilidade de entrega dos números previstos pelo Ministério do Planejamento.

Na avaliação de Felipe Salto, economista-chefe da Warren, ao analisar o cenário atual das contas públicas e sua trajetória, o país deve alcançar, de fato, o déficit zero apenas em 2032.

Entendemos que nossos cenários continuam mais prováveis, neste momento, partindo-se de um déficit primário de 0,79% do PIB, em 2024, 0,77% do PIB, em 2025 e atingindo o zero apenas entre 2032 e 2033”, diz Salto, que atrela esse resultado ao compromisso com as premissas e os mecanismos do Marco Fiscal, em um contexto sem alterações que comprometam os acionamentos dos gatilhos para ajuste e controle das despesas.

O economista explica ainda que, na prática, considerando os limites de tolerância da meta fiscal, de 0,25% do PIB, para cima ou para baixo, o déficit fiscal pode alcançar até 0,57% do PIB que “que ainda assim estará cumprindo a lei, a meta”.

Seu cálculo leva em consideração os abatimentos dos precatórios excedentes ao antigo limite constitucional de gastos. A medida foi aprovada no ano passado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) para evitar uma impacto fiscal de cerca de R$ 200 bilhões em 2027.

Além disso, Salto cita a alteração aprovada pela Câmara no artigo 14 da Lei Complementar 200, que antecipa a liberação de gasto extra para 2024 e eleva a despesa federal também nos próximos anos.

Com os abatimentos de precatórios em 0,32% do PIB, pode-se entregar um déficit primário de até 0,32% do PIB que, mesmo assim, a meta zero estará cumprida. Como a banda inferior é -0,25% do PIB, fixada na Lei Complementar 200, do arcabouço fiscal, o déficit pode chegar a até 0,57% do PIB e mesmo assim a meta estaria cumprida. Não é, definitivamente, um bom sinal”, explica o especialista.

Na avaliação de Sergio Vale, economista-chefe da MB Associados, a percepção que fica é de que o arcabouço fiscal já apresentou mudanças significativas em menos de um ano. “Você tem um ajuste fiscal que, de partida, foi mal desenhado. O governo está dependendo totalmente de arrecadação. […] Olhando para frente não devemos ter um crescimento excepcional e as receitas atípicas estão todas concentradas este ano. Há uma dificuldade de encontrar o déficit zero”, afirmou.

Felipe Salto elogia a “agenda de receitas”, como sendo um acerto do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, mas diz que é preciso ir além. Sua avaliação é de que ajustes nas regras são válidos e esperados, dentro da lógica do Marco Fiscal, “mas o que não pode é mudar esse compromisso no meio do caminho”.

Incerteza dos gastos
Outro ponto de atenção se dá com relação aos gastos. Tiago Sbardelotto, economista da XP, menciona que as despesas devem diminuir substancialmente somente a partir de 2027, já que o limite de gastos deve continuar a crescer no limite superior do arcabouço fiscal (2,5%) e parte dos precatórios é paga fora do teto.

Nesse cenário, Sbardelotto avalia que espera-se uma forte redução nos gastos discricionários (-20,9%) este ano, resultando em uma maior pressão sobre investimentos e custeio administrativo. “Acreditamos que esse gargalo pode levar a (mais uma) mudança na regra fiscal”.

Para atingir as metas fiscais previamente estabelecidas, seria necessário não apenas aumentar a receita, mas também adotar medidas para conter os gastos. Mas a revisão de gastos apresentada pelo governo atinge apenas R$ 37,3 bilhões em quatro anos, menos de 0,1% do PIB ao ano”.

Para Felipe Salto, as receitas devem crescer menos, afetando as projeções do resultado para 2024 e também nos anos subsequentes. Sendo assim, considerando os números do PLDO, as estimativas devem precisar de novos ajustes nos bimestres seguintes, levando à necessidade de contingenciamento de gastos discricionários.

A mudança
Na apresentação desta segunda, o governo propôs meta de déficit zero para 2025. A meta é diferente da estipulada no arcabouço fiscal aprovado no ano passado, que previa um superávit de 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB) no ano que vem.

O novo regime fiscal, entretanto, tem uma margem de tolerância de 0,25% do PIB para mais ou menos, que já indicava uma flexibilização do que foi firmado no ano passado.

Publicidade

[VÍDEO] PIPA - APÓS FORTES CHUVAS QUE CAÍRAM NA MANHÃ DESTA TERÇA-FEIRA (16), AS RUAS DA PRAIA DE PIPA FICARAM COMPLETAMENTE ALAGADAS


Devido as fortes chuvas que caíram na manhã desta terça-feira (16) na Praia da Pipa/RN, algumas ruas e avenidas ficaram completamente alagadas, dificultando o tráfego de veículos.

Diante disto, agentes de trânsito estão fazendo o isolamento de alguns pontos e orientando os motoristas e motociclistas.

Com informações de Goianinha Notícias

Publicidade

GRANDE INCÊNDIO ATINGE BOLSA DE VALORES DO SÉCULO XVII EM COPENHAGUE, DERRUBANDO TORRE ICÔNICA


Um incêndio atingiu um dos edifícios mais antigos de Copenhague nesta terça-feira, 16, causando o colapso da icônica torre da Antiga Bolsa de Valores do século XVII, enquanto os transeuntes corriam para ajudar os serviços de emergência a salvar pinturas de valor inestimável e outros objetos de valor.

O Ministro da Cultura dinamarquês, Jakob Engel-Schmidt, disse que foi “comovente” ver quantas pessoas deram a mão “para salvar tesouros artísticos e imagens icônicas do edifício em chamas”. Um homem saltou de sua bicicleta a caminho do trabalho para ajudar no esforço.

O incêndio começou na manhã de terça-feira no telhado de cobre do Old Stock Exchange, ou Boersen, espalhou-se por grande parte do edifício e do telhado, partes do qual também desabaram, e destruiu o interior do edifício, disse o porta-voz dos bombeiros Jakob Vedsted Andersen.

O que restou depois de apagado é muito cedo para dizer agora”, disse Engel-Schmidt à emissora dinamarquesa DR.

A causa do incêndio não foi conhecida imediatamente.

O edifício, situado próximo ao Palácio de Christiansborg, onde fica o parlamento, é uma atração turística popular e já foi fotografado milhões de vezes. Sua torre característica, no formato das caudas de quatro dragões entrelaçados, atingiu uma altura de 56 metros.

Enormes nuvens de fumaça se elevaram sobre o centro de Copenhague e as pessoas foram vistas correndo para dentro do edifício para salvar pinturas. A pluma podia ser vista do sul da Suécia, separada por um estreito canal.

Ambulâncias estavam no local, mas não houve relatos de vítimas. Um porta-voz da empresa que está trabalhando na reforma do edifício disse que todos os carpinteiros que trabalhavam no telhado haviam saído.

Até 90 membros de uma unidade do exército também foram enviados de uma base próxima para isolar a área e “proteger objetos de valor”, informaram as forças armadas da Dinamarca.

O edifício e a torre estavam envoltos em andaimes, que depois desabaram com o incêndio. O telhado, a alvenaria, o arenito e o pináculo do Boersen – construído em 1615 e considerado um dos principais exemplos do estilo renascentista holandês na Dinamarca – estavam sendo reformados, disse a Câmara de Comércio Dinamarquesa, que se mudou para o prédio depois que a bolsa de valores de Copenhague deixou o local em 1974.

O diretor da câmara, Brian Mikkelsen, estava entre os que ajudaram a retirar os quadros do prédio. “É um desastre nacional”, disse Mikkelsen aos repórteres.

O adjacente Palácio de Christiansborg já foi incendiado em várias ocasiões e, mais recentemente, em 1990, houve um incêndio em um anexo do parlamento dinamarquês, conhecido como Proviantgaarden. No entanto, a Antiga Bolsa de Valores sobreviveu incólume.

Esse anexo, que fica no quarteirão atrás da Antiga Bolsa de Valores, foi evacuado por precaução, assim como vários ministérios na rua atrás do prédio em chamas.

Além de abrigar a Câmara de Comércio, a Old Stock Exchange é usada para jantares de gala, conferências, festas e outros eventos.

A polícia disse na plataforma de mídia social X que uma estrada principal em Copenhague estava fechada e que as pessoas deveriam esperar que a área ficasse isolada por algum tempo.

Várias linhas de ônibus foram redirecionadas e a mídia dinamarquesa relatou enormes engarrafamentos na área circundante/AP.

Publicidade

CHUVAS NO RN ESTARÃO MAIS CONCENTRADAS NO LITORAL NOS PRÓXIMOS 3 MESES, DIZ EMPARN


Após as fortes chuvas dos últimos meses que encheram vários açudes no Rio Grande do Norte, o tempo continuará fechado no em todo o Estado nos próximos três meses. Gilmar Bistrot, meteorologista da Empresa de Pesquisa Agropecuária do RN (Emparn), informou que nos meses de abril, maio e junho a expectativa é de que as chuvas sejam de normal a acima do normal.

Para essa expectativa, o meteorologista explicou que as precipitações irão ocorrer devido às condições atuais dos oceanos Atlântico e Pacífico, com o enfraquecimento do fenômeno climático El Niño, que consequentemente resultarão em mais chuvas em locais específicos.

No Oceano Pacífico, a condição do El Niño está enfraquecida, mas a tendência para os próximos meses é que nós tenhamos um cenário de condição neutra, não interferindo na condição de chuvas no estado. Ao mesmo tempo, as condições do Oceano Atlântico deverão manter o que temos observado. O Atlântico Sul mais aquecido do que o Atlântico Norte, mesmo o Norte estando com temperaturas acima do normal. Tem região que vai chover um pouquinho mais, tem região que vai chover um pouquinho menos, mas em média, a chuva fica dentro da normalidade”.

Ao abordar as regiões potiguares que poderão receber mais chuvas, Gilmar Bistrot afirmou que também no próximo trimestre, as chuvas estarão mais concentradas no litoral. “A região Nordeste é dividida em dois momentos, de fevereiro a maio chove em todo o estado e de maio até agosto a chuva se concentra mais na faixa litorânea influenciadas pelas condições do Atlântico Sul. Então essa condição para chuvas no leste também deverá ser de normal acima do normal”, comentou.

INTERIOR DO RN. Em relação interior do estado, o meteorologista apontou que as chuvas intensas dos últimos meses, que encheram diversos açudes e consequentemente foram responsáveis por danificações nas estruturas de algumas rodovias, como as da BR-304, aconteceram por influência do aquecimento no oceano Atlântico, especialmente nos meses de fevereiro e março.

Essa condição trouxe a zona de convergência aqui para cima do Nordeste e favoreceu o padrão de chuvas, o aumento das chuvas aqui na região central, essa região da Serra da Borborema, Serra de Santana, Seridó. Nós tivemos chuvas bastante acima do normal, foi a região que mais choveu”.

Sobre recomendações para os agricultores, Gilmar mencionou que o período ideal para o plantio já passou, pois as chuvas devem diminuir a partir de meados de maio e início de junho. Nessas regiões, já foram estabelecidas as lavouras e agora aguarda-se o desenvolvimento e a colheita. Para os municípios das regiões leste e Agreste, onde as chuvas podem persistir até agosto, ele indica o cultivo de feijão, milho, sorgo para alimentação animal e outras culturas mais adaptadas à ocorrência de períodos secos, como veranicos.

ACOMPANHAMENTO DOS ÓRGÃOS PÚBLICOS. Em nota enviada ao AGORA RN, a Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh), responsável pelos reservatórios públicos estaduais, afirmou que tem uma preocupação especial com os reservatórios que possuem capacidade acima de 5 milhões de metros cúbicos, pois são utilizados para abastecer as populações urbanas.

Com isso, diante das previsões de chuva para os próximos meses, a Semarh confirmou à reportagem que equipes técnicas da pasta estão em alerta acompanhando de forma permanente as situações de riscos desses locais.

Aquelas situações em que os reservatórios podem oferecer algum risco de rompimento, normalmente são realizadas intervenções preventivas objetivando de forma controlada a redução do volume de água armazenada, evitando assim, riscos de ondas que possam provocar impactos tanto de inundações para populações urbanas e rurais, mas também impacto nas estradas e rodovias, como foi o caso o reservatório Itapuã, em Lajes, que atingiu a BR 304”, comunicou a secretaria.

Já na capital potiguar, a Defesa Civil do Município explicou que o acompanhamento da previsão do tempo é feito diariamente, assim como o monitoramento da precipitação de fortes chuvas e a necessidade de acionar os protocolos de ação em casos de eventos extremos.

Em caso de eventos com chuvas de grande proporção, aciona-se o Plano Municipal de Contingência de Natal para Deslizamentos e Alagamentos. Com esse documento é possível prever as melhores estratégias de ação em casos de desastres, levando em consideração a função das secretarias envolvidas e a capacidade de atuação de cada um”.

Publicidade

MAGREZA EXTREMA: ESPECIALISTAS DO RN ALERTAM PARA USO DO OZEMPIC


O culto à magreza extrema parece ter voltado para a rotina das pessoas. De uns tempos para cá, diversas celebridades, que já eram consideradas magras, têm aparecido nas redes sociais com corpos muito mais esguios – desencadeando comentários polêmicos sobre as mudanças drásticas de aparência.

Recentemente, o uso de medicamentos injetáveis se tornou um dos assuntos mais comentados na internet. O Ozempic, por exemplo, passou a ser utilizado para fins de emagrecimento rápido por estética, sem recomendação apropriada – algo que não é aconselhável. Ele é indicado para o tratamento do diabetes tipo 2, conforme a bula aprovada pela Anvisa.

Eva Andrade, nutricionista e professora universitária, ressalta que a perda de peso associada ao medicamento pode provocar flacidez. “A gente tem visto até o formato ‘cabeça de Ozempic’, porque a gordura não é perdida no rosto, mas o resto do corpo perde muito peso. O medicamento atua no centro de saciedade, as pessoas se sentem mais cheias, causando um emagrecimento rápido. Mas não é perda de gordura somente, perde músculo também”, alertou, em entrevista ao AGORA RN.

A longo prazo, essa perda de peso pode impactar não só estruturalmente o corpo da pessoa que utiliza Ozempic, como também as funções orgânicas. “A imunidade pode ser afetada”, explicou ela, ressaltando que o maior problema pode acontecer quando o paciente para de injetar o medicamento.

Parou de tomar o Ozempic, o que acontece? Acaba a sensação de saciedade, vai voltar a sentir fome da mesma forma que sentia ou até mais, o que gera um aumento do peso, um efeito rebote. O medicamento é originário para o tratamento de diabetes tipo 2, para controlar a glicemia, e pode ser usado para obesidade, desde que com acompanhamento”, pontuou a nutricionista.

Para quem não tem indicação de uso do Ozempic, a nutricionista incentiva uma combinação de ações para emagrecimento a longo prazo. “Buscar entrar em déficit calórico, de forma controlada, melhorando a qualidade alimentar. Em vez de retirar alimentos, inserir frutas e verduras, aumentar o índice de fibra, para ter mais saciedade. E, fazer atividade física”.

Membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia no RN (SBEM-RN), a médica endocrinologista Liana Viana explicou que a semaglutida, principal componente do Ozempic, está indicada para o tratamento da obesidade e do sobrepeso quando há falha do tratamento conservador, com dieta e exercício físico.

O tratamento da obesidade deve ser individualizado porque se trata de uma doença complexa. “Nem todo mundo tem obesidade ou sobrepeso porque tem maus hábitos de vida ou porque é sedentário. Há vários fatores que influenciam nesse excesso de peso, de acordo com cada fenótipo”, afirmou a médica.

Ela ressalta que nem todos os casos devem ser tratados com semaglutida. “Além de agir na saciedade, o Ozempic retarda o trânsito gastrointestinal. Então, se há um paciente que já tem algum distúrbio gastrointestinal, como refluxo ou constipação, e inicia o uso do Ozempic, essas doenças podem piorar”, relatou.

Segundo a médica endocrinologista, o medicamento não pode ser usado na gestação ou durante o período de amamentação. “A gente tem visto nas redes sociais a divulgação de que ele precisa ser administrado diariamente, mas é apenas uma vez por semana, e sempre com acompanhamento médico”, frisou.

Ainda de acordo com Liana Viana, nem todas as pessoas com algum tipo de obesidade terão benefícios com o uso. “Como a medicação atua no atraso do trânsito gastrointestinal, pode ocorrer efeitos adversos como náuseas, vômitos, desidratação, pancreatite, e outros”.

Quem interrompe abruptamente o uso do Ozempic pode recuperar rapidamente o peso perdido. “A perda de peso para o organismo não é uma condição fisiológica, então ele sempre vai tentar recuperar o peso inicial. Caso haja interrupção, vai haver um aumento de apetite. Isso pode acontecer em qualquer tratamento, até com cirurgia bariátrica”.

Uso indiscriminado provoca prejuízos coletivos
O uso “off-label” de semaglutida para o desejo social de emagrecer abarca riscos, conforme a médica endocrinologista e professora da UFRN, Reivla Marques.

Qualquer medicamento que se faça uso sem orientação médica vai mexer no princípio básico da relação de risco-benefício. Então, se você não tem indicação para o que aquela medicação foi validada, vai aumentar os riscos em relação aos benefícios comprovados do uso. A medicação pode ter efeitos colaterais”.

Utilizar Ozempic apenas para emagrecimento estético, quando não há indicação médica, engloba problemas tanto do ponto de vista individual quanto do coletivo.

Individualmente, se o paciente apresentar, por ventura, algum efeito colateral, ele não vai saber como manejar, trazendo repercussões para a rotina e qualidade de vida. Do ponto de vista coletivo, contribui para o estigma do tratamento do paciente com obesidade. Notícias falsas que vão aumentar o medo sobre o tratamento de quem realmente precisa. Também afeta a disponibilidade da medicação para quem realmente ela é necessária”, observou Reivla Marques.

Publicidade

50 CANDIDATOS AO JÚRI SÃO DISPENSADOS POR AFIRMAR QUE NÃO SERIAM JUSTOS COM TRUMP; PROCESSO ENTRA NO SEGUNDO DIA


O processo criminal no qual Donald Trump é réu entra no segundo dia nesta terça-feira (16). O julgamento ainda está na fase inicial, a da escolha de quem serão as pessoas que vão formar o júri de 12 pessoas (além delas, serão escolhidas outras 6 como reservas).

No começo do primeiro dia, uma leva de 96 potenciais jurados foi levada ao tribunal. O juiz perguntou a eles se poderiam ser justos e imparciais ao julgar Trump. Cerca de metade disse que não e foi dispensada. Depois disso, outros 9 afirmaram que não poderiam servir como jurados por outra razão não especificada.

Se não for possível selecionar os 12 jurados e 6 reservas entre as primeiras 96, mais candidatos serão levados ao tribunal. Foi convocado um grupo de 500 pessoas do qual vão sair os 18 escolhidos.

As pessoas selecionadas como juradas serão responsáveis por decidir se o ex-presidente dos Estados Unidos cometeu crime ao esconder contabilmente os US$ 130 mil que Trump pagou à atriz pornô Stormy Daniels, em 2016, para que ela não revelasse na reta final das eleições presidenciais daquele ano que os dois haviam tido um caso extraconjugal. Trump nega ter tido uma relação com Daniels (leia mais abaixo).

O primeiro dia terminou sem que um único jurado fosse escolhido. Por isso, o processo de seleção continua nesta terça-feira (16).

O juiz do caso, Juan Merchan, disse que o mais importante em um jurado é a capacidade da pessoa de colocar de lado seus sentimentos pessoais e o viés que tem em relação a Trump para dar uma decisão baseada em evidências e na lei.

O juiz perguntou a uma das mulheres que ainda permaneciam entre os candidatos se ela tinha “opiniões fortes” sobre Trump. Ela respondeu sim, e foi dispensada.

Os candidatos responderam perguntas sobre os seguintes temas:

Quais são os hobbies deles?
Como eles se informam?
Eles têm “opiniões fortes” sobre Trump?
Eles já foram a comícios de Trump? E a eventos políticos contra Trump?

Com base nas respostas, a acusação e a defesa podem pedir ao juiz para eliminar candidatos. Além disso, eles podem eliminar 10 pessoas sem justificativa.

Depois de escolhidos, os jurados serão conhecidos por números, e não por suas identidades –o juiz determinou que os nomes serão mantidos em sigilo de todos, a não ser dos promotores, de Trump e de seus defensores.

Trump diz que processo é uma perseguição
Os advogados de Trump já tentaram trocar a jurisdição do caso, mas os promotores afirmaram que não há motivo para concluir que não se pode achar 12 pessoas imparciais e justas entre cerca de 1,4 milhão de residentes de Manhattan (um dos distritos de Nova York).

Ao deixar a corte, Trump voltou a dizer que o caso é uma caça às bruxas. “Isso é perseguição política como nunca houve”, afirmou ele.

Logo no começo do caso, a defesa pediu para que o juiz se afastasse do caso, o que ele não fez.

Depois disso, o juiz Merchan determinou que a acusação não poderia exibir aos jurados uma fita de vídeo de 2005 que ficou famosa nas eleições de 2016 em que Trump dizia que agarrava mulheres de forma sexual.

Processo histórico
Esta é também a primeira vez que um ex-presidente é julgado criminalmente na história dos EUA.

Trump é acusado por esconder contabilmente os pagamentos que fez à atriz pornô Stormy Daniels, algo que teria acontecido em 2016, quando venceu as eleições presidenciais.

No total, são 34 acusações, cada uma delas punível com até 4 anos de prisão (veja mais abaixo perguntas e respostas sobre o caso). Donald Trump declarou-se inocente e afirma que ele é vítima de uma "caça às bruxas" dos democratas para impedi-lo de voltar à Casa Branca.

Ele é o único pré-candidato do Partido Republicano nas eleições presidenciais e disputará com Joe Biden, atual presidente dos EUA, do Partido Democrata. As eleições ocorrem em 5 de novembro.

No pior dos cenários para ele, Trump pode ser condenado à prisão, uma situação inédita na política americana.
As sessões do julgamento devem ocorrer entre 9h30 e 16h30 do horário local, de segundas-feiras a quartas-feiras.

Entenda a acusação
Segundo a acusação, o republicano pagou US$ 130 mil (R$ 660 mil na cotação atual) na reta final da campanha presidencial de 2016 à ex-atriz pornô Stormy Daniels para que ela se mantivesse em silêncio sobre uma relação sexual extraconjugal que os dois tiveram em 2006 (Trump sempre negou que tenha tido um caso com Stormy Daniels).

Essas ações em si não são crimes, mas a promotoria afirma que Trump maquiou esse pagamento como se fosse um desembolso ao seu advogado. Ou seja, o ex-presidente está sendo julgado por esconder esse valor nos registros fiscais.
A promotoria afirma que esse dinheiro, na verdade, era uma despesa de campanha, já que o propósito final do pagamento era impedir que uma informação que pudesse atrapalhá-lo na reta final nas eleições de 2016. Portanto, para a acusação, Trump escondeu um gasto de campanha e deve ser julgado também por isso.

Quem fez o pagamento foi Michael Cohen, então advogado pessoal de Trump —e hoje adversário dele.

Como havia um grupo de pessoas envolvidas no esquema, também há acusação de conspiração.

Foi "uma conspiração para fraudar a eleição presidencial e mentir em documentos comerciais para encobri-la", segundo o promotor distrital de Manhattan, Alvin Bragg. Em Nova York, os promotores são eleitos para o cargo; ele é do Partido Democrata, adversário de Trump.

A defesa afirma que Trump fez os pagamentos porque estava sendo extorquido.
A acusação, no entanto, diz que essa era uma prática recorrente de Trump, já que ele usou esse mesmo esquema outras duas vezes —para pagar um porteiro e uma outra mulher com quem ele teria tido uma relação.

Para os promotores, os eleitores americanos foram enganados quando venceu as eleições presidenciais de 2016 contra Hillary Clinton.

Processo zumbi
Esse processo já foi descrito como "zumbi", por estar há muito tempo no limbo na Promotoria de Manhattan. Dos quatro casos em Trump é réu, esse é considerado pelos especialistas o mais fraco.

No entanto, o processo pode representar um problema nas eleições. Já os outros processos foram adiados e dificilmente serão julgados antes das eleições, no dia de 5 de novembro.

Os advogados de Trump tentaram adiar esse processo também --eles pediram até mesmo o afastamento do juiz Juan Merchan do caso, mas até agora não tiveram sucesso.

Estes cidadãos, que serão mantidos em anonimato por razões de segurança, selarão o destino do bilionário republicano no final de um processo que pode durar entre seis e oito semanas.

Segundo o jornal “Washington Post”, o juiz Merchan decidiu que nesse processo não haverá referências a supostas relações de Trump com outras mulheres.

Para tomar essa decisão, ele ponderou que esses outros casos são alegações que não foram provadas --“são rumores, fofocas”, afirmou o juiz. Se essas histórias fossem mencionadas na corte, iriam fazer com que os jurados tivessem uma impressão muito negativa de Trump, o que é prejudicial ao réu.

Perguntas e respostas
O advogado brasileiro Cássio Casagrande, que é professor de direito constitucional na Universidade Federal Fluminense, explica abaixo alguns pontos desse julgamento.

Qual é a principal alegação da promotoria contra Trump? "É a acusação de fraude contábil. Na verdade, quem pagou o dinheiro para Sotrmy Daniels foi o advogado dele, Michael Cohen, e ele reembolsou Cohen como se fosse honorário advocatício, maquiando o pagamento. Esse dinheiro foi usado como despesa de campanha, não declarada. Se o objetivo era comprar o silêncio da Stormy Daniels para que ela não revelasse os fatos. Isso foi um gasto de campanha não contabilizado, uma ilegalidade".

Por que há 34 acusações diferentes? "Em um mesmo processo, pode haver mais de uma acusação. No caso dele, há uma única ação, mas com múltiplas condutas criminosas, por isso as múltiplas acusações".

Por que são tantas? "Nos EUA, é muito comum que a promotoria e a defesa façam acordo. O acusado reconhece infrações em troca de uma pena menor. Promotores tendem a adicionar acusações para aumentar a pena e pressionar o acusado. Trump parece não querer esse acordo, então o promotor está considerando todas as possíveis acusações criminais".

Por que o crime está sendo julgado em Nova York? "O gasto eleitoral não declarado ocorreu em Nova York, por isso a competência é lá".

A promotoria exagera em suas acusações nos EUA? "Sim, mas os processos são julgados pelo júri, que decide se há culpa. Muitos casos acabam em acordo antes do júri. Quanto ao exagero da promotoria, se o advogado de defesa for bom, pode mostrar a fragilidade da denúncia".

O caso será transmitido? "Não, mas é público. As pessoas podem assistir, e a imprensa tem acesso. Será interessante ver como Trump se sairá".

Esse caso é frágil? "A prova é difícil. Não diria que o caso é frágil, mas a prova não é fácil devido à necessidade de provar a ligação com a campanha eleitoral. É importante ver as provas apresentadas aos jurados para mostrar o dolo eleitoral".

Publicidade

GASOLINA DO RN FICA 0,73 MAIS CARA DO QUE A DA PARAÍBA


A gasolina vendida na Refinaria potiguar Clara Camarão, administrada pela 3R Petroleum, está R$ 0,73 mais cara do que o preço praticado no estado vizinho da Paraíba. Essa diferença ocorreu após o recente reajuste por parte da 3R, que vende o litro do combustível às distribuidoras por R$ 3,43, enquanto que a refinaria da Petrobras, em Cabedelo, comercializa o produto por R$ 2,70. Esse é um dos fatores apontados como justificativa para os potiguares pagarem por uma das gasolinas mais caras do Brasil, segundo último levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis do Brasil (ANP).

De acordo com o último levantamento, feito entre os dias 07 e 13 de abril, a gasolina comum no Estado registrou preço médio por litro nas bombas de R$ 6,07, ficando no ranking dos cinco mais caros do Brasil, ao lado de Acre (R$ 6,84), Rondônia, e Amazonas (R$ 6,34) Roraima (R$ 6,15) e igual a Sergipe. Além disso, o RN também registrou preço médio por litro da gasolina aditivada a R$ 6,17 (6ª mais cara do Brasil e mais cara do Nordeste) e a R$ 4,90 (2º mais caro do Brasil).

Na semana passada, a 3R Petroleum aumentou o preço da gasolina e do diesel comercializados na refinaria, aumentando oito centavos. Com isso, o litro passou a custar R$ 3,436. Já o Diesel A S500 teve um acréscimo de seis centavos, ficando em R$ 3,497.

O especialista e economista Ricardo Valério, aponta que o fato da refinaria Clara Camarão ser privatizada explica a “carestia” dos preços no estado em relação aos vizinhos. “O único fator é a empresa privada que tem a liberdade de mercado para praticar o preço de sua conveniência para segurar a margem de lucro desejada. Hoje em dia, somente isso, é que é responsável pela carestia no RN”, afirma.

Segundo o presidente do Sindicato dos Revendedores de Postos de Combustíveis do Rio Grande do Norte (Sindipostos-RN), Maxwell Flor, ainda não é possível afirmar se os preços já foram repassados para os clientes com os últimos reajustes. “A 3R faz esses reajustes semanais, então os postos, em alguns deles se absorve e em outros não, é muito dinâmico. Depende do estoque de cada posto e das vendas. Se o movimento está fraco e as vendas baixas, o revendedor acaba absorvendo esse reajuste para poder segurar e conseguir melhorar”, explica.

Em relação aos preços dos combustíveis no Rio Grande do Norte, a 3R Petroleum disse em nota que necessita importar gasolina, de forma a não desabastecer os postos do Estado, uma vez que a Refinaria Clara Camarão não detém capacidade para produzi-lo. “Assim, a Companhia o adquire no mercado ao preço de referência internacional, que é sensível a flutuações do dólar, a variações do Brent e a custos logísticos incidentes até a chegada do produto aos postos. Portanto, o preço encontrado pelo consumidor nas bombas reflete toda uma cadeia de produção inescapavelmente conectada às cadeias globais de valor em que a Companhia está inserida”, informou à TRIBUNA DO NORTE.

Motoristas e condutores dizem que têm buscado alternativas e o máximo possível de promoções visando economizar na hora de abastecer. Neste sentido, vários postos em Natal e no interior, por exemplo, promovem descontos para usuários com cadastros, pagamentos no Pix ou à vista, entre outras ações, como aplicativos de acúmulo de pontos e cashback.

Mesmo com essas possibilidades, os consumidores constatam que os preços seguem em alta. “Estou rodando no etanol, fiz uma matemática minha e vi que compensava mais para meu caso, já que rodo 250km por dia. Em relação ao GNV, para mim, está equiparado. Gasolina coloco uma vez ou outra, pois o valor está alto. O preço está muito acima e para gente que depende do combustível está ficando quase inviável trabalhar”, aponta José Adriel, 32 anos. Ele estima precisar fazer, diariamente, cerca de 50km a mais para poder “bater a meta”.

Mesmo pensamento tem o também motorista de aplicativo Leonardo Lopes, 29, que atua na profissão há quase um ano. Ele comenta que atualmente roda cerca de 150km/dia. “No meu caso, que é uma renda extra, ainda vale a pena, contanto que eu rode bastante tempo e selecione muito as corridas. Mas muitos amigos meus têm recorrido ao GNV e mesmo assim ainda fica difícil sustentar uma família com 3,4 pessoas”, explica.

Defasagem
A defasagem do preço da gasolina nas refinarias da Petrobras atingiu, no último dia 12, o maior patamar deste ano, ficando 21% abaixo do preço praticado no Golfo do México, onde estão localizadas as refinarias norte-americanas, informou a Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom). Além da alta do preço do petróleo no mercado internacional, a valorização do dólar frente ao real tem elevado a defasagem de preços no mercado interno.

Para alinhar os preços em relação ao mercado internacional, a Petrobras poderia aumentar a gasolina em R$ 0,74 o litro, segundo a entidade. No caso do diesel, a defasagem está em 12% nas refinarias da estatal, possibilitando aumento de R$ 0,48 por litro. A Petrobras está há 178 dias sem reajustar a gasolina e há 111 dias sem alterar o preço do diesel.

Publicidade