GRAVÍSSIMO: PREFEITO ÁLVARO DIAS DESCUMPRE ACORDO E NÃO PAGA POR ATENDIMENTOS CARDÍACOS E HOSPITAL ANUNCIA SUSPENSÃO DE ATENDIMENTOS



Foto: Reprodução

Diante de uma crise de saúde pública que beira o limite entre a vida e a morte, a paralisação dos serviços de cardiologia do Instituto do Coração de Natal se torna um espelho dos descasos administrativos que afligem nossa cidade.

Neste momento crítico, onde cada segundo conta para salvar vidas, a inação e negligência do prefeito de Natal não são apenas uma falha de gestão, mas um ato que coloca em risco direto a vida de inúmeros cidadãos, incluindo crianças com condições cardíacas graves.

É imperativo questionar: até quando a política vai se sobrepor à saúde e ao bem-estar de nossa população?

Nota a População do Rio Grande do Norte

ASSUNTO: SUSPENSÃO DOS SERVIÇOS

O INSTITUTO DO CORAÇÃO DE NATAL LTDA, pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ sob o nº 01.507.901/0001-37, com sede na Avenida Afonso Pena, nº 754, Andar 01, Tirol, Natal/RN, CEP: 59.020-100, vem informar e esclarecer a população do Estado do Rio Grande do Norte o que se segue:

A partir do dia de hoje, 23 de novembro de 2023, resta paralisado todo o serviço de cardiologia no qual presta serviço – cujo gestor público do contrato é o Município de Natal.

Os motivos que ensejam a paralisação da cardiologia são aquelas que exaustivamente vem sendo discutidos há meses, a contumaz e permanente falta de pagamento pelo Município de Natal e desrespeito as decisões judiciais estabelecidas.

Hoje, infelizmente, a Instituição se vê impossibilitada de continuar a trabalhar sem o cumprimento de tais obrigações, cuja falta total de recursos financeiros inviabiliza e ameaça sua atividade enquanto empresa.

Deve ser esclarecido que a principal preocupação do INCOR/NATAL são os atingidos com essa difícil decisão, os usuários do serviço, onde, dentre estes, temos crianças cardiopatas que irão, novamente, ter seus tratamentos não iniciados ou descontinuados.

O infarto agudo do miocárdio – “os infartados”- deixarão de ser tratados em rede específica e de excelência, estas pessoas correm risco de morte ou de sequelas irreversíveis se não tratadas a tempo, minguando em suas residências ou em corredores lotados das Unidades de Pronto Atendimento.

Crianças passam a estar expostas e também a correr risco de morte ou de sequelas irreversíveis.

Esclarece-se que o Estado do Rio Grande do Norte, embora adimplemente em sua cota parte do acordo até a presente data, passa a sofrer com as consequências postas na paralisação pelo fato de estar englabado no contexto do contrato principal cujo município gestor é Natal.
Ademais, o INCOR/Natal reitera que busca a solução deste problema com o máximo de empenho, levando em consideração os prejuízos que a referida paralisação ocasiona à toda população da cidade de Natal.

Embora sejamos uma pessoa jurídica, esta é feita por pessoas, médicos e médicas, funcionários e prestadores de serviços exaustos e impotentes em ver o sofrimento da população, em ver que os esforços de tratamento se esvaem quando não feitos no tempo certo.

Concluamos aos poderes constituídos que ajudem a população na resolução definitiva de tal grave problema de saúde pública.

Blog do BG

Publicidade

Compartilhe

Veja Mais

PARNAMIRIM INICIA VACINAÇÃO DE CRIANÇAS CONTRA DENGUE
DENGUE: CASOS SOBEM MAIS DE 300% EM 2024. PICO AINDA VIRÁ, DIZ SAÚDE
UNIDADE SAÚDE VALE DO SOL PREPARA RECEPÇÃO CARNAVALESCA PARA IDOSOS ATENDIDOS EM 2024
MORTES POR DENGUE CHEGAM A 113 NO PAÍS; 438 ÓBITOS SÃO INVESTIGADOS
ÉTICA: NÃO TEM LIMITES PARA COOPEMED

Comentários (0)

Deixe seu comentário